Web Stories: por quê é importante?

Rodrigo Botinhão

In Conteúdo, Mercado Posted

Como profissionais de SEO, um dos nossos maiores trabalhos é sempre estarmos conectados com as novidades. No final de 2020, o Google fez um grande anúncio: finalmente, os web stories chegariam ao Discover e poderiam ser acessados de maneira muito mais rápida pelos leitores.

O grande problema é que, mesmo para profissionais do ramo, os web stories ainda eram um grande mistério. Será que valeria a pena oferecer essa mídia e gastar energia com algo que parecia tão fora do que já conhecemos sobre o SEO?

Colocando de maneira curta: sim, vale a pena, e muito. No entanto, para entender o porquê disso, vamos recapitular um pouco: saber de onde surgiram, para que servem, a relação do SEO com eles e, em especial, como elaborá-los de maneira funcional.

O começo: o que são os web stories

“As [sic] Web Stories são uma versão baseada na Web do conhecido formato de ‘Stories’, que mistura vídeo, áudio, imagens, animação e texto para criar uma experiência dinâmica de consumo”. É assim que o próprio Google, em sua plataforma para desenvolvedores, descreve o formato.

Basicamente, o Web Stories nasceu de uma necessidade que o Google sentiu de se adequar ao formato de multimídia instantânea, criado em 2011 pelo Snapchat. Nos últimos dez anos, pudemos acompanhar como os Stories se solidificaram, mudando a maneira como consumimos e criamos mídia.

Dessa maneira, como um dos nomes mais importantes para o usuário da Internet, o Google também precisava criar a própria versão dos Stories. Assim, a plataforma aderiu ao conteúdo multimidiático otimizado para dispositivos móveis, criando o Web Stories.

A melhor parte é que, apesar de ser um novo formato no Google, ele é tratado quase da mesma forma que aqueles que já conhecemos. São os mesmos crawlers conhecidos por nós que vão ler um Web Story e entender o que está naquele conteúdo.

A diferença principal está na indexação. A partir do momento que percebem que o conteúdo lido é um Web Story, os algoritmos do Google passam a indexá-lo de maneira diferente de outros conteúdos. É aí que o Discover entra em destaque.

A importância do Discover

O Discover é uma ideia que o Google vem colocando em prática desde 2017, quando lançou o Google Feed. O objetivo principal é oferecer um conteúdo altamente personalizado para o usuário, que mostra os interesses dele sem que ele precise fazer nada. Resumindo: no smartphone Android, ao abrir seu app do Chrome, os conteúdos do Discover já são oferecidos a você. Faça o teste.

O próprio algoritmo da plataforma, assim que o usuário a acessa, mostra os conteúdos mais relevantes para ele. No Discover, é possível encontrar principalmente vídeos e textos, o que conversa diretamente com a proposta dos Web Stories.

A união e a interconexão dos Web Stories e do Discover segue algumas tendências de consumo muito importantes em relação às novas gerações. Primeiro, falamos do tempo crítico. Nunca as pessoas foram tão rápidas em decidir qual conteúdo é interessante para elas.

Outro ponto importante é a capacidade de diferenciação. Hoje em dia, as pessoas têm menos contato com os conteúdos, mas conseguem diferenciá-los com muito mais facilidade que antes.

Por fim, podemos destacar a mudança das fontes de informação das novas gerações. Estudos constatam que Millenials e Gen Zs utilizam as redes sociais como a principal fonte de notícias e informações, especialmente conteúdos em formato de vídeo. Curiosamente, parte desses vídeos são assistidos no mudo.

Vantagens de utilizar os Web Stories

Entendendo as tendências de consumo da nova geração e o que um Web Story possibilita, podemos traçar as principais vantagens que esse formato nos traz. Pensando tanto nos leitores quanto nos profissionais de SEO e nos clientes, é possível contar com:

Instantaneidade: conteúdos atuais e rápidos de ler, que aparecem de acordo com a relevância do assunto.
Visibilidade: usuários têm acesso aos conteúdos de maneira natural, aumentando a visibilidade desses conteúdos.
Praticidade: ferramentas intuitivas e fáceis de usar, ideais para criar conteúdos atrativos sem dificuldade.

Com isso, conseguimos encontrar as necessidades de nossos leitores, que buscam uma maneira rápida e simples de acessar informações importantes, entender assuntos relevantes e descobrir itens de consumo. Tudo isso com a possibilidade de se aprofundar em cada um desses pilares conforme interesse.

Por outro lado, também temos mais uma forma de atualizar a nossa maneira de trabalhar, utilizando a ferramenta da melhor maneira para gerar engajamento e conversão para nossos clientes.

Então, como fazer um Web Stories?

Sendo assim, como fazer um web stories? Bom, o primeiro passo é baixar a ferramenta de desenvolvimento. Você pode encontrar várias opções na página de Web Stories do Google e escolher a versão que mais se adeque a suas necessidades.

Entre elas, o plugin Web Stories para WordPress foi desenvolvido pelo Google e conta com uma interface intuitiva, com recursos de arrastar e soltar. Na ferramenta, há templates de stories prontos, além de mecanismos que possibilitam a criação de um conteúdo único.

Produção de texto

Após instalar a ferramenta, é hora de começar a produzir. Para o Google, pautas quentes e dicas sobre assuntos do momento são o que mais chamam a atenção. É possível relacionar esses temas, direta ou indiretamente, à marca e aos produtos de seu cliente.

Com as pautas definidas, você pode começar a pesquisar e garantir embasamento para desenvolver o conteúdo. Os textos para web stories precisam ser objetivos e “compactos”, contando com uma narrativa envolvente que guie o leitor até o último slide, sem perder o tom de voz e a identidade do site.

Tela de Criação do Web StoriesDe acordo com as práticas recomendadas pelo Google, o ideal é reduzir o  conteúdo para cerca de 280 caracteres por página, ou seja, o comprimento de um tweet. Isso também serve para a criação do título e da meta description, que devem seguir com, no máximo, 70 e 200 caracteres, respectivamente.

CTA e links internos

No conteúdo, os links internos e CTA têm um papel fundamental, principalmente para nós, profissionais de SEO. Além de chamar a atenção e direcionar o leitor para o próximo passo, esses elementos são os responsáveis pelo aumento de tráfego orgânico no site.

Exemplo Web StoriesA ideia é optar por linkagem e CTA que conversem com o texto e a pauta, guiando o público pela jornada de consumo ou de conhecimento. Para monitorar esse processo, é possível incluir o parâmetro UTM nas URLs, que rastreia a origem do clique.

Seleção de elementos visuais

Os elementos visuais também são essenciais para a produção de um Web Story. Nesse formato, você pode utilizar imagens, gifs e vídeos. É importante que todos possuam alta qualidade e sejam redimensionados para o formato retrato.

Segundo o Google, os vídeos geram mais engajamento e devem ter de 15 a 60 segundos no máximo. Clipes pequenos se transformam automaticamente em gifs e a própria plataforma é responsável por comprimi-los para que não pesam nem interfiram na usabilidade.

Mídia de terceiros

No plugin Web Stories para WordPress, você encontra uma aba com mídias de terceiros, que traz bancos de imagem oferecidos gratuitamente pelos parceiros do Google. Ao selecioná-las, a dica é optar por figuras que complementam o texto e se adequam à linguagem visual da marca.

O Google também recomenda adicionar texto alternativo nas imagens e descrição nos vídeos para tornar a experiência do leitor ainda mais completa. Também é indicado evitar elementos com textos embutidos que possam confundir o público.

Formatação e publicação

Após selecionar todos os elementos, você pode adicioná-los a um template pronto ou a um layout que desenvolveu do zero. Acrescente as informações de modo que faça sentido, com texto, links e elementos visuais formando uma unidade.

Neste momento, também é hora de checar todas as informações do Web Story. Verifique se a URL está correta, se as imagens estão com uma boa qualidade, assim como links, capa, título, meta description e nome do autor.

Se quiser, você pode dar vida aos stories incluindo alguns efeitos visuais e animações. Porém, use-os com parcimônia, evitando animações que sejam repetitivas ou distraiam o usuário e causem fadiga. Exemplos:

Novadax – 5 criptomoedas mais rentáveis de acordo com nossos especialistas

G2D – O que é o capitalismo consciente

Tenda – Aproveite a Black Friday para economizar no supermercado

Marabraz – 5 dicas de decoração para banheiros pequenos

Gringo – Posso andar com o IPVA atrasado?

Coffe ++ – 5 sobremesas para surpreender a mulher da sua vida

Como acompanhar os resultados dos Web Stories?

Depois de todo esse trabalho, é possível acompanhar os resultados dos Web Stories? Para possibilitar a visualização do desempenho da ferramenta, o Google lançou o painel do Data Studio para Web Stories.

O Data Studio fornece uma visão geral do desempenho desses conteúdos. Nele, você encontra duas guias principais — overview and story level, onde é possível conferir as principais métricas, que incluem: story starts, story completions, tempo gasto, público-alvo, top stories, canais de tráfego e nível de desempenho dos stories.

Além do Data Studio, é possível extrair métricas de performance por meio do Google Analytics. No geral, o que interessa para o Google é a quantidade de pessoas que acessaram aquele conteúdo e foram até o final (story starts e story completions).

Já para nós, profissionais de SEO, o que interessa é o aumento do tráfego orgânico e o awareness, ou seja, quantas pessoas acessaram aquele web story e percorreram a jornada de conversão através dos links internos, e também a quantidade de impressões. Uma marca jovem pode se beneficiar bastante desta exposição.

Números e ganhos

Na prática, o que temos visto? Dois comportamentos: uma “explosão” de acessos inicial, seguida de uma queda brusca, e uma “continuidade”, com picos esporádicos. No primeiro caso, independentemente do tamanho da marca e do site, vimos um web story atingir quase 50 mil starts em um único dia e 2,7 milhões de impressões. Parece mentira, mas não é, e isso acontece com certa frequência.

Web Stories - Dashboard

WebStories - Google Search ConsoleEntretanto, colocando os pés no chão e os dados nas planilhas ao longo de meses, notamos um crescimento de aproximadamente 20% no tráfego orgânico adotando os web stories. Mais ainda, eles contribuem para o comportamento “bola de neve” do Discover, ou seja: ele começa a recomendar, mais e mais, outros artigos do domínio (blogposts, páginas de categorias, Landing Pages, páginas de produto, etc.).

Porém, ressaltamos que ele está funcionando muito bem com uma estratégia casada, ou seja: continue com sua campanha de SEO envolvendo todo o domínio e complemente com o web story. Sozinho, ele só ajudará a curtíssimo prazo e não contribuirá para potencializar a recomendação dos conteúdos do seu site.

Entenda e explore as mudanças

Conforme novas tecnologias e hábitos de consumo vão surgindo, é importante que sigamos a direção que eles nos mostram. Por isso, atente-se sempre aos formatos que estão chegando e como utilizá-los de forma inteligente em seus projetos de SEO.

Criamos uma matéria explicando como configurar o tags e scripts com Web Stories utilizando o Google Site Kit e Google Tag Manager.

Já tem ideia de como aplicar os Web Stories no seu negócio? Conte nos comentários! Para continuar aprendendo sobre novas tendências no mundo do SEO, continue acompanhando o blog da Gear!

0 Comments

Leave a Comment